segunda-feira, 11 de maio de 2009

Sou poeta analfabeto

"Sou poeta analfabeto, sou maluco, sou profeta, sou palhaço e sou cantor.
Sou Brasil, século XX, Porto Alegre e inocente, santo, franco-atirador.
Vou cantar esse galope-profecia que é a primeira pop-trova-maldição.
Falso-riso amarelengo, zombadeiro, pá-virada, encarquilhada solidão.

Falso-riso amarelengo, zombadeiro, pá-virada, encarquilhada solidão.
Quero ver se ainda tem recheio de verdade ou se é só maldade nesse coração.
De tanto somar bobagens e besteiras nós no fim subtraímos o principal.
Que acabou sendo esquecido nessa ânsia de chegar aos noves-fora do final.

Que acabou sendo esquecido nessa ânsia de chegar aos noves-fora do final.
Provavelmente esmagado como tantos e entretantos nessa pressa industrial.
Hoje em dia o principal é ser veloz, acelerando, atropelando a emoção.
Falso-riso amarelengo, zombadeiro, pá-virada, encarquilhada solidão.

Nada pode ter a dimensão de uma desculpa
louca abnegada e prisioneira de um convento,
lento, mas fatal, assim como afinal no fim.
Creio que esse riso amarelado seja um câncer
contraído pelo mal estar de um sofrimento:
never fall in love again*."



Nico Nicolaiewsky

*"never fall in love again" - "nunca mais se apaixonar", não necessáriamente... pois é aquela coisa que acontece...

4 comentários:

  1. 'never fall in love again.'

    se é certo ou errado, a gente descobre com o tempo 8D

    ResponderExcluir
  2. Na verdade, seria

    "Sou Brasil século XX, Porto Alegre inocente" Sem a vírgula e o "e", porque cita o Brasil do século XX e Porto Alegre ainda inocente :) Mnha vez d corrigir neh :p Eh sempre tu!!!

    Mto tri essa música ;)

    Abrass manô

    ResponderExcluir
  3. Peguei do site de letras de música.

    Seria: Sou Brasil, sou século XX, sou Porto Alegre e inocente, sou santo, sou franco-atirador.

    Mas sei lá...

    ResponderExcluir